Yoga e Naureza

Na Casa do Yoga procuramos todos os anos realizar algumas actividades ao ar livre. Consideramos o contacto com a natureza muito importante para o nosso bem estar e saúde.

Ar Puro – respirar ar puro ajuda a regular os níveis de serotonina, um neurotransmissor que nos ajuda, entre outras coisas, a manter o bom humor.

Respiração – o Yoga possui exercícios respiratórios que produzem óptimos resultados na nossa saúde e bem-estar, realizados ao ar livre são ainda melhores.

Sol e vitamina D – a luz do sol é importante para a produção de melatonina, que é responsável por regular o nosso relógio biológico; o sol também activa a vitamina D que é importante para a saúde dos ossos, dos dentes e para a assimilação do cálcio.

Terra –  as grandes cidades criam  uma desconexão entre nós e a natureza, é muito importante resgatar essa conexão. Passar algum tempo na natureza ajuda-nos a “desligar”, e por isso, os níveis de energia e concentração aumentam.


Foto da última actividade realizada ao ar livre: Stand Up Paddle 

Anúncios

Quero mudar. Por onde devo começar?

Muitas pessoas iniciam a prática de Yoga no momento em que chegam a um ponto de ruptura nas suas vidas. Pode ser um divórcio, problemas no trabalho, stress, exaustão ou até uma doença grave.

Não há nada de errado nisso. Afinal chegar a um ponto de ruptura significa necessidade de mudar, de transformar algo que não está assim tão bem nas nossas vidas. E o Yoga pode ter papel fundamental nisso, já que o maior ensinamento desta filosofia de vida é a auto-observação.

Nas sociedades modernas somos ensinados a assumir inúmeras responsabilidades. Um adulto tem de gerir uma carreira profissional, a casa, os filhos, a logística da família, etc.. Mas ninguém nos ensina a assumir responsabilidade pela nossa saúde física e mental.

Existem algumas coisas simples e bem básicas que nos ajudam a estar bem física e mentalmente e que produzem um impacto enorme em tudo o resto!

  • Durma Bem – Um sono regenerador tem um grande impacto na nossa performance cognitiva e física e também na forma como nos alimentamos. Dormir pouco faz com que o cérebro pense que precisamos de mais energia e isso vai causar o aumento da ingestão calórica ao longo do dia e uma apetência maior por alimentos de pior qualidade e bebidas estimulantes. Além disso, dormir pouco deixa-nos menos criativos, mais stressados e com maior propensão para a irritabilidade.
  • Coma Bem – A alimentação tem um grande impacto nos nossos níveis de energia e claro na nossa saúde. A má alimentação é hoje em dia vista como causa de insucesso escolar, obesidade e doenças.
  • Beba água – Sabia que os  nossos músculos são 75% de água, o nosso sangue é 82% de água, os nossos pulmões são 90% de água e o nosso cérebro é 76% de água. Já imaginou o que a falta de água pode fazer ao seu corpo?
  • Mova o seu corpo – A Organização Mundial de Saúde considera que a falta de actividade física é o quarto factor de risco para a mortalidade global e este parece ter um efeito comparável ao tabagismo e à obesidade. Não pense apenas em ficar em forma ou em trabalhar o corpo para o verão. Lembre-se que a actividade física é uma das melhores formas de combater o stress e ajuda-o a sentir-se bem no seu corpo. Experimente o Yoga!

Da próxima vez que pensar “não sei o que fazer à minha vida”, faça uma análise a estes quatro tópicos. Estabeleça um plano para melhorar cada um deles. Vai ver que daqui a umas semanas a sua força e clareza mental serão outras e certamente estará capaz de gerir melhor as suas responsabilidades.

 

Praticar Sempre!

Não deixe de praticar um só dia! A disciplina e constância farão toda a diferença no seu bem-estar e nos resultados que vai atingir.

Existem muitas maneiras de manter a sua prática, mesmo que não venha à Casa do Yoga todos os dias. A seguir algumas dicas simples que podem ser aplicadas em casa, nos seus tempos livros ou até na pausa do trabalho

  • Ao acordar faça alguns ciclos de contracções abdominais. Progressivamente, vá aumentando o tempo de retenção e o número de contracções. Não deve desleixar a profundidade do movimento em proveito de um número maior de repetições. Para que a técnica produza o seu efeito é importante que o movimento não seja superficial e portanto o aumento do número de repetições não pode prejudicar um movimento amplo e profundo.

 

  • Pratique técnicas de respiração ao longo do dia. Por exemplo, bhastriká produz uma oxigenação muito mais intensa que todos os outros exercícios respiratórios, limpa os pulmões e as vias respiratórias e é altamente energizante e vitalizante, podendo eliminar o cansaço e a depressão em poucos instantes. Se quiser ganhar foco e concentração use o chaturanga pránáyáma. Quando quiser adormecer ou simplesmente descontrair, a respiração completa no ritmo 1-2-3 é uma excelente opção.

 

  • Não sempre se consegue sentar para praticar o seu exercício de meditação, mas de certeza que consegue praticar a atenção plena numa actividade diária. Por exemplo: conduzir, passear o cão, tomar banho, lavar a loiça, correr, caminhar, etc.

 

  •  A Saudação ao Sol é uma óptima prática para fazerem sozinhos em casa.
    Se fizerem dez sequências de Saudação ao Sol num ritmo acelerado, têm um bom treino cardiovascular. Se fizerem num ritmo mais lento, as técnicas ajudam a tonificar os músculos e torna-se uma prática meditativa e que ajuda a descontrair a mente.

Qualquer dúvida consulte o seu Instrutor.

 

Sentir-se em Casa!

No final do ano 2014 decidimos mudar o nome do nosso espaço. Pensamos muito antes de escolher o novo nome. Queríamos que reflectisse o que se passa dentro destas paredes. Foi assim que surgiu o nome Casa do Yoga. Estamos prestes a comemorar 3 anos de mudança e não podíamos deixar de vir aqui lembrar o que nos faz ser Casa do Yoga!

Como é bom e libertador sentir-se em casa! Não importa a arquitectura, o tamanho, a localização, o mobiliário…nada disso.

Para nós, sentir-se em Casa é…

Sentir-se em Casa é um doce sentimento de nos percebermos aceites e queridos da maneira que somos. É sentir que temos liberdade para nos expressarmos, sentir que temos à nossa volta pessoas que nos entendem e que nos ajudam a crescer e com as quais as horas passam a voar porque cada momento é realmente único.

Sentir-se em casa é estar bem consigo. É estar bem no seu corpo, na sua voz. É cuidar-se, amar-se, valorizar-se. É saber rir e não se levar demasiado a sério, e é também saber chorar e aceitar as próprias falhas. Sentir-se em casa é saber que damos o nosso melhor a cada momento, é sentir que o futuro está à nossa espera.

Evolui

Algumas constatações evolutivas que já deves ter vivido mas ainda não tiveste consciência.

1- O outro não existe para te agradar.

2- Ninguém é culpado pelo que estás a sentir. És tu que optas pelos sentimentos que tens neste momento.

3- A arte de viver sem expectativas e, sim, com perspectiva é a chave para não se frustrar.

4- Cura em ti o vício da necessidade de aprovação do outro. Só assim, poderás desfrutar da ousadia e confiança natural do seu espírito.

5 – Tu não tens controle de nada, por mais que acredites que tenhas. Lembra-te, daqui a pouco a Terra irá reivindicar o teu corpo e deixarás este planeta para ingressar numa nova fase de existência. Abre mão do controle, só assim terás domínio sobre ti mesmo e sobre a tua vida. Controle é um reflexo do medo, domínio é um reflexo do estado de ausência absoluta de tensão interna.

6- Não te deformes nem te descaracterizes para tentar “caber” no espaço apertado do pensamento que o outro tem em relação a ti. Isso não vai dar certo. Quando tu te deformas para agradar a alguém, a tua luz apaga-se e és apenas tu que ficas no escuro e te sentes perdido.

7- Não acredites no que os outros te dizem, por mais romântico e poético que possa ser. O que importa são as atitudes e não as palavras.

8 – Abandona o orgulho e o delírio de acreditar que tudo vai ser como tu queres.

9 – Tudo é passageiro. De perto a vida é uma tragédia, de longe é uma comédia. Daqui a pouco vais rir de todos os dramas que criaste. Pois tudo passa.

10 – Tu és responsável por tudo que está a acontecer na tua vida. Os teus pensamentos e sentimentos predominantes irão formatar a tua realidade; quer tu queiras, quer não. Portanto, se quiseres mudar a tua realidade, muda os teus pensamentos e sentimentos.

11- Carência emocional não é a necessidade de receber e, sim, de se dar. Só tu poderás suprir tuas necessidades emocionais. Projectá-las em alguém é o mesmo que pedir para que alguém se alimente para saciar a tua fome.

12 – Vive com simplicidade e com mais realidade. Só assim, quem realmente és, vai surgir de verdade. Ri mais e não leves tudo tão a sério. Afinal de contas, a essência da vida é descobrir-se e desfrutar desta maravilhosa aventura chamada evolução.

Adaptado de um texto da Autoria de Horácio Frazão.

Concurso de Fotografia

Concurso de fotografia

Tema “Praticar Yoga nas férias”

Regras:

1. Concurso aberto a todos os alunos.
2. Cada aluno pode participar com o número fotos que quiser.
3. As fotos devem ser originais e sem qualquer tipo de tratamento digital
4. As fotos devem conter qualquer técnica de Yoga.
5. As fotos devem ser enviadas para o email escola@yogabraga.com até dia 20 de Setembro.
6. As fotos devem ser enviadas em formato JPEG ou PNG.
7. A selecção da melhor foto será feita na festa de rentrée dia 23 de Setembro.
8. A foto com mais votos recebe um prémio!!!

Yoga e corrida

A corrida está na moda há já alguns anos. Os benefícios são inúmeros e talvez por isso continue a ganhar imensos adeptos. O que é que o Yoga pode trazer a quem corre?

Em primeiro lugar, convém referir que o Yoga não é um complemento para outras actividades. O Yoga é em si uma filosofia de vida e deve ser sempre encarado como tal. É claro que possui muitos benefícios que se estendem a várias (eu diria todas) áreas da nossa vida e não podemos ignorar isso.

  • No Yoga aprendemos a trazer a mente para o momento presente, aprendemos a direccionar os nossos pensamentos. Evitar a dispersão durante a corrida é importante para manter o foco e a motivação. Além disso, ter uma mente focada na ajuda-nos a clarificar as ideias, que é um dos motivos que leva muita gente à corrida, ser capaz de parar com o redemoinho de ideias e pensamentos sobre o trabalho ou os problemas do dia-a-dia.
  • O Yoga ensina-nos a ter mais consciência corporal e isso é muito importante na corrida. É comum encontrar quem corra com os pés demasiado para dentro ou demasiado para fora, com as costas arqueadas e com a zona lombar sempre em esforço, a funcionar como amortecedor etc.. Quando somos mais conscientes do nosso corpo temos mais cuidado com o alinhamento e a postura e sabemos corrigir-nos quando necessário.
  • Alongar no final de cada corrida é muito importante. Um praticante experiente de Yoga sabe utilizar os seus conhecimentos nesta área

Sugestão de leitura Running with the mind of meditation