Bhastriká

Bhastriká em sânscrito significa fole. O nome provém da comparação entre o movimento do abdómen durante a respiração acelerada e o de um fole funcionando.

Esse respiratório ocupa um lugar muito importante nas práticas de Yôga. Produz uma oxigenação muito mais intensa que todos os outros, limpa os pulmões e as vias respiratórias e é altamente energizante e revitalizante. Por isso elimina o cansaço e a depressão em poucos instantes.

Sentando e com as costas bem eretas, faça por alguns instantes a respiração abdominal. Aos poucos comece a acelerar o ritmo, contraindo rápido o abdómen a cada exalação. Isso deve produzir um ruído alto e forte. A inspiração acontece espontaneamente, quando o diafragma e o ventre se expandem.

Ao expirar, o diafragma se eleva e o musculo do reto abdominal contrai-se com rapidez.

Ao inspirar, o abdomen projeta-se para fora. Ao exalar se contrai com vigor.

Você pode fazer vários ciclos desse respiratório, contando o número de exalações. No início serão algumas dezenas, que você irá progressivamente aumentar até chegar na casa das centenas.

É aconselhável fazer uma retenção com os pulmões cheios combinado com bandha no final de cada ciclo de bhastriká. Durante as primeiras vezes que o fizer, a fim de fortalecer e treinar a sua capacidade vital, sugerimos que você faça kúmbhaka* juntamente com o jihvá bandha* (contração da língua no céu da boca).

Quando começar a fazer retenções prolongadas utilize o jalándhara bandha* (contração do queixo no tórax) combinado com múla bandha*.

Preste atenção para não contrair a musculatura do rosto nem movimentar os ombros. Esta técnica pode ser feita na posição sentada ou deitada, mas nunca em pé.

Esta técnica fortalece a parede abdominal, aumenta a circulação sanguínea e tonifica o sistema nervoso. Normaliza as funções dos aparelhos digestivos e excretor. Oxigena todo o organismo, revitaliza os tecidos e aquece o corpo”.

Fonte: Respiração total – Professora Ro de Castro

darth+veda+does+ujhayi

     cartoon: Samadhi Pants

Anúncios

Respirar é viver

Outro dia assisti uma entrevista com o ator Johnny Deep e entre uma pergunta e outra lhe foi perguntado qual era um dos maiores prazeres que tinha na vida e para minha surpresa e provavelmente da grande maioria, ele respondeu: respirar!

De fato, respirar é, ou pelo menos deveria ser um dos grandes prazeres de nossa existência.
Mas o que grande parte da humanidade faz? Aperta o botão do respirador automático e seja o que Shiva quiser!

Diariamente somos bombardeados por informações e propagandas que apelam de forma tão impiedosa à nossa visão e ao nosso paladar que acabamos dando extrema atenção a eles, sobrecarregando-os em detrimento de outros como a respiração; nos alimentamos em demasia e de forma errada e mesmo assim não paramos de dar atenção ao paladar.

E a respiração, que também é alimento? Por que não damos atenção a ela? Poderíamos passar dias sem comer e beber, porém poucos minutos sem respirar.

Talvez o olfato seja o sentido que mais receba nosso desprezo. Percebendo este pormenor, os Mestres da antiguidade incluíram na prática do Yôga o uso do incenso, que dentre outras coisas, faz com que prestemos mais atenção à respiração, pois respiração yôgi é intrinsicamente ligada à participação da consciência.

Além de viver e sonhar, há algo mais importante: despertar.
Antônio Machado

Para melhorar isso, comece dando atenção em como se senta, seja diante de sua mesa de trabalho, nas poltronas dos aviões ou nas cadeiras dos restaurantes. Sim, eu sei que grande parte dos assentos são mal projetados mas faça o melhor que puder com aquilo que tiver em mãos.

Ao se posicionar fisicamente de forma errada, além de toda uma gama de problemas que talvez só venham a se manifestar anos depois, você pode principalmente prejudicar o trabalho do diafragma, músculo fundamental no processo respiratório.

Uma respiração deficiente, praticada por 90% da população mundial (impressionante o número de pessoas que vêm nos procurar e que não possuem a mínima noção de como se deva respirar), tem resultados muitas vezes catastróficos que vão desde uma má oclusão dentária, passando por distúrbios no ciclo menstrual, até à qualidade do sono e da digestão.

Um exemplo é a falta de oxigenação ideal do sangue que pode comprometer a clareza mental. Cérebro não oxigenado apropriadamente torna turva a mente, imergindo-a em uma barafunda de dispersões, fazendo com que o seu dono perca o foco e a concentração.

Saúde não é tudo, mas tudo não é nada sem a saúde.
Schopenhauer

Porque será que quando uma pessoa está descontrolada, costuma-se dizer a ela para respirar?

Ensinamos a muita gente técnicas específicas de respiração que auxiliam no controle de seu campo de emoções, fazem a ligação do inconsciente com o consciente além de melhorar o funcionamento geral do organismo, amenizando eventuais desconfortos provenientes do sedentarismo que se aloja por entre grande parte dos seres humanos.

O próprio ato de respirar de forma abdominal promove um sutil massageamento de seu principal músculo, o coração, além de ativar o metabolismo e purificar o sangue.

Estou certo de que enquanto lê esse artigo, está respirando pelas narinas, não é?

Fique atento a não inspirar pela boca, principalmente se já se acostumou com isso. Nariz não foi feito para apoiar os óculos e sim para filtrar, aquecer e umedecer o ar. A ideia é que você “mastigue” o ar.

A vida só é plena quando nos tornamos conscientes de tudo que está submerso no inconsciente.
Carl Gustav Jung

Respire antes de tomar qualquer decisão. Mas não de qualquer forma. Respire bem, profundo, sem pressa e extremamente consciente da limpeza que se processa em seu organismo em todos os níveis. Isso lhe trará valiosa percepção da situação a ser revelada. Aliás, respire dessa forma sempre: ao se alimentar, praticar esportes, descansar, ler etc. Esse detalhe aumentará seu prazer e bem-estar em cada momento de sua existência.

Pode parecer bobagem, porém, suas roupas podem também atrapalhar o trabalho de oxigenação de sua estrutura física. Ternos e calças muito apertadas prejudicam o bom funcionamento de sua “máquina”.

Quando possível, troque a qualidade do ar que respira. Vá às montanhas ou praia.
Não sei o que é pior: “beber” o ar das grandes metrópoles ou estar tão acostumado a isso que não se percebe mais que existe diferença na qualidade do ar de um lugar para outro.

E por fim, percebamos como nosso ritmo respiratório está intimamente ligado às nossas emoções e as turbulências de nossa mente (note o estado de sua respiração enquanto se concentra na leitura deste texto). Da mesma forma que o seu estado emocional e/ou mental influencia na sua respiração, o caminho inverso também é verdadeiro.

Portanto faça da sua respiração a sua aliada, cuide dela com carinho, faça dela um de seus grandes prazeres, pois respirar é vida que se transforma em arte nas mãos alquímicas de quem o sabe fazê-lo.

E lembre-se do velho ditado: “O que contam, não são os momentos nos quais você respira e sim aqueles que lhe tiram o fôlego”.

Professor Fábio Euksuzian

Porque às vezes, na vida é preciso parar e respirar…

Conscientização da respiração

Esta técnica é muito simples, porém uma das mais importantes entre todas. Quando mais tempo você puder se dedicar a ela, melhor. Pode-se fazer por 10, 15, 20, 30 minutos ou enquanto for agradável. Primeiro leia toda a sequência e depois execute-a na ordem sugerida. Dedique alguns instantes a cada etapa.

Sente-se confortavelmente com a coluna erecta.

Feche os olhos. Acomode todo o seu corpo e procure permanecer imóvel.

Deixe a respiração espontânea e apenas observe-a.

Preste atenção às suas narinas. Deixe-as descontraídas e perceba o ar entrando e saindo por elas. Sinta a temperatura do ar.

Capte os diverso aromas à sua volta. Procure distinguir um do outro.

Agora junto com o ar mergulhe dentro de você. Deixe sua consciência penetrar em seus pulmões. Perceba o leve toque do ar nos condutos respiratórios. Esteja presenta na sua respiração como se, neste momento, não existisse nada além dela.

Conscientize-se do prána alimentando todo o corpo.

Mantenha esta consciência em todos os respiratórios que executar daqui por diante.

Perceba o quanto é gostoso respirar.

Do livro Respiração Total, da Prof. Rosângela de Castro

Pránáyáma

A palavra pránáyáma deriva de dois termos sâncritos: prána, que significa alento, força vital, respiração, energia, vitalidade e ayáma, expressão que, segundo o Amarakôsha, significa expansão, intensidade, propagação, dimensão. Pránáyáma, então, é o processo através do qual expande-se e intensifica-se o fluxo da energia.

Em outra acepção, esta palavra estaria formada pelos vocábulos prána, designando a a energia vital e yama, que significa controle, domínio, retenção, pausa. Pode traduzir-se também como domínio da bioenergia, utilizando técnicas respiratórias. Esse domínio não se faz no sentido de limitar a respiração, mas de expandi-la.

Pránáyáma é a expansão da bio-energia através de respiratórios. Uma vez que a respiração esteja perfeitamente regulada, poderemos facilmente controlar os processos conscientes, já que a respiração, mente e emoções interagem mutuamente. A respiração é o único acto vital inconsciente ao qual podemos ter acesso e controle imediato. Por meio dela temos condições de mergulhar nas profundezas do nosso inconsciente e torná-lo consciente. Dessa forma abrimos o livro interno e ganhamos condições de ler os registos mais íntimos. Como resultado deste autoconhecimento seguramos as rédeas da transformação e conduzimos nossa evolução.

Retirado do livro Respiração Total, da Professora Rosângela de Castro

tati_fabio