Treino de Alta Performance

Observe a disciplina, o poder interior, a determinação e a força de vontade aplicada para realizar este treino.

Se é um praticante de Yôga procure assimilar o exemplo e aplicar na sua própria prática. Lembre-se de quantas vezes desistiu da permanência numa posição por achar que não conseguia continuar. Não se trata só de força física. Lembre-se que o “Yôga é 80% mental e apenas 20% físico”. Logo, com mais força interior (não-física), vai mais longe. É isso que procuramos desenvolver através das práticas de  SwáSthya Yôga: um profundo mergulho no universo do autoconhecimento, numa alquimia orgânica que envolve corpo e mente.

Anúncios

Ode à Rotina

Por Daniel De Nardi

Pobre coitada da rotina, tão criticada, evitada e desprezada. Esse tipo de adjetivo é fruto de uma condição da mente humana que aspira por tudo à diversidade. Deseja por tudo manter-se alimentada de dispersão. O que nosso psiquismo quer são pensamentos diversificados para que se mantenha nossa natural instabilidade. No entanto a satisfação completa acompanhada de desenvolvimento e evolução caminha na outra direção. É justamente na estabilidade que está o segredo do sucesso e da realização pessoal.

Claro que precisamos, vez por outra variar e ter experiências diferentes. O problema é quando isso se torna uma regra. A próxima sensação terá que ser sempre mais forte e superar a anterior. Assim que a falta de diversidade entediar a pessoa, ela vai buscar um degrau mais alto de satisfação. Deixará, no entanto de explorar suas potencialidades, estará sempre diversificando o que a tornará superficial em todas as áreas.

Fazer as mesmas coisas é uma oportunidade única de nos aprimorarmos. Essa é a maior de todas as satisfações. Temos, com a rotina, a possibilidade de desenvolver potencialidades muito profundas que só a repetição poderá alcançar.

A excelência só advém com a repetição. É o treino que faz o gênio. O tédio só vai surgir se o sentido de aprimoramento constante e auto-superação não forem trabalhados. Caso contrário temos na constância desafios cada vez maiores e profundos.

Não deixe de agradecer cada segunda-feira, ela pode ser o começo de uma nova vida. Uma oportunidade ímpar para iniciar tudo com a vantagem de termos a experiência acumulada até a semana anterior. Saiba que se você tiver ambição, as ações serão as mesmas, mas os desafios internos cada vez maiores e mais complexos de serem vencidos.

Via Método DeRose Itaim

5 Formas Cientificas Para Construir Hábitos Que Duram

“Nós somos aquilo que fazemos repetidamente. Excelência, então, não é um ato, é um hábito.” Estas solenes palavras são de Aristóteles e uma lembrança que o sucesso não chega da noite para o dia. Pelo contrário, é a disciplina que obtém do ponto A até ao, muitas vezes indescritível, ponto B.

Por causa de uma abundância de distrações que podem levar-nos para fora da linha, os hábitos do nosso dia-a-dia podem ser difíceis de construir. Examinemos algumas pesquisas académicas sobre a motivação, disciplinas e construção de um hábito para aliviar um pouco esse problema. Quebremos os resultados em etapas de ação para que qualquer aspirante consiga adquirir um hábito objetivo e que perdure.

1. Faça “micro quotas” e “macro objetivos”.

Num fascinante estudo sobre motivação, os investigadores descobriram que o pensamento abstrato pode ser um método eficaz para ajudar a disciplinar-se. Num sentido mais básico, “sonhar em grande” é um bom caminho. E uma vez que várias pesquisas à volta da teoria da auto-determinação nos mostram que criar motivadores intrínsecos (sendo motivado por processos internos, não através de castigos ou recompensas) é um processo essencial para construir hábitos que duram, você precisa de encontrar uma maneira de equilibrar esse desejo de sonhar em grande com as suas atividades do dia-a-dia, que muitas vezes não resultam em mudanças rápidas e dramáticas.

A resposta é criar o que chamo de “micro quotas” e “macro objetivos”. Os seus objetivos devem ser grandes imagens que deseja realizar um dia, mas as suas quotas são as quantidades mínimas de trabalho que deve ser feito todos os dias para tornar o objetivo numa realidade. As quotas tornam cada dia acessível e os seus objetivos tornam-se viáveis por causa disso.

O escritor/developer Nathan Barry fez um estudo através de casos de uso sobre a utilização de quotas com uma pessoa que impôs a si mesmo escrever mil palavras por dia. O resultado foram três livros publicados resultando em milhares de euros em vendas.

2. Crie cadeias de comportamento.

É mais fácil criar hábitos que perduram quando fazemos uso das nossas rotinas atuais, ao invés de tentar combatê-las. O conceito de planeamento baseado em se-então é construído em torno de “gatilhos” que podemos utilizar para nos avisar que é hora de atuar sobre o nosso hábito. As intenções de implementação, como também é conhecido, envolvem escolher uma parte regular da sua agenda e, em seguida, construir outro “elo na cadeia”, adicionando um novo hábito.

Por exemplo, em vez de “vou manter a casa limpa”, você poderia apontar para “quando chegar a casa vou trocar de roupa e, em seguida, limpar o meu quarto/escritório/cozinha”. Vários estudos confirmam que este é um método bem-sucedido para criar pistas contextuais sobre a força de vontade. Então, da próxima vez que decidir “comer comida saudável” tente “se é hora do almoço, então vou comer apenas carne e legumes”.

3. Elimine o excesso de opções.

De acordo com algumas pesquisas sobre auto-controlo – e exposto em alguns livros, como no The Willpower Effect – existe um poder enorme escondido nas situações aborrecidas. Tomemos, por exemplo, a insistência de Barack Obama em nunca usar outra cor senão azul e cinzento. Segundo o presidente, “Eu estou a tentar tomar decisões. Não quero fazer muitas decisões sobre o que vou comer ou vestir. Tenho muitas outras decisões para tomar”.

A crença do presidente é suportada pela ciência – o estudo de Kathleen Vohs e dos seus colegas mostram que fazer escolhas repetitivas esgota a energia mental, mesmo que essas escolhas sejam banais e relativamente agradáveis. De acordo com a Harvard Business Review, se quiser manter disciplina a longo prazo é melhor “identificar aspetos na sua vida que consider mundanos – e, em seguida, os aspetos rotineiros. Em suma, menos decisões”.

Para uma mudança duradoura, os passos a tomar devem, finalmente, mudar o seu ambiente. Páre de comprar snacks se pretende parar de lanchar (sem força de vontade necessária), leve um almoço semelhante todos os dias, e abrace o poder da rotina para realizar o suficiente em cada dia.

4. Realize um plano de processo (mas não enfatize).

Um dos passos que muitas pessoas saltam quando fantasiam sobre a construção de um determinado hábito é nunca responderem com clareza ao porquê de quererem que a mudança ocorra. Poder parecer um pequeno detalhe, mas desempenha um papel de enorme importância na manutenção de motivação a longo prazo. Uma variedade de pesquisas mostram-nos que fantasiar excessivamente sobre os resultados pode ser extremamente prejudicial para a construção de qualquer hábito.

De acordo com um estudo de UCLA, o erro está no que visualizamos. Os investigadores descobriram que os participantes que se envolveram em visualizações que incluíam o processo do que precisava de ser feito para alcançar o objetivo (por exemplo, fantasiar sobre a aprendizagem de uma língua, visualizando-se a praticar todos os dias depois do trabalho) eram mais propensos a obter um novo hábito do que os seus pares (que visualizavam-se a falar francês numa viagem a Paris). O processo de visualização funcionou por dois motivos:

  • Planeamento: visualizar o processo ajudou a chamar a atenção sobre os passos necessários para atingir a meta;
  • Emoção: visualizar as etapas individuais baixaram a ansiedade.

5. Elimine a desilusão.

Os novos hábitos são frágeis e e por essa razão que deve eliminar qualquer fonte de desilusão que o desvie do caminho. Estes momentos “que se lixe” são aqueles momentos em que você se encontra com o pensamento “Que se lixe, não vale a pena o esforço”. Este fenómeno é denominado por What the Hell Effect, o qual explica porque somos tão propensos a abandonar o navio ao primeiro deslize.

A solução? Examine o seu hábito e encontre exatamente onde as coisas começam a falhar. Um bom exemplo é dado pelo autor Ramit Sethi, que explicou como melhorou as suas idas ai ginásio, encontrando o que queria:

Quando me sentei para analisar a razão pela qual não ia ao ginásio, percebi que o meu armário estava noutro quarto. Isso significava que tinha que sair para o frio para vestir a roupa certa. Depois de perceber isso, preparei a minha roupa na noite anterior. Quando acordei na manhã seguinte tinha tudo o que precisava à mão. Resultado? A minha presença no ginásio subiu 300%.

Você pode, inclusive, utilizar o conceito se-então. Por exemplo, se o cansaço é o que impede de tocar guitarra depois do trabalho, poderia criar uma aproximação “se eu me sinto cansado depois do trabalho, então vou dormir uma sesta de 20 minutos e ouvir música durante 5 minutos para me motivar”.

E vocês, como criam novos hábitos?

Texto retirado do site Via Método DeRose Antas

Cria a melhor versão de ti próprio!

“Melhore tudo o que entra em contacto consigo. Rodeie-se de excelentes pessoas. Use um vocabulário correcto. Beba café de excelente qualidade. Leia excelentes livros. Use sapatos de qualidade. Crie projectos de excelência. Seja um Pai excelente. Tenha pensamentos de qualidade. Merece não menos que isso.”

Robin Sharma

598361_389799254434896_249834045_n 295475_417037085044446_2009606686_n (1)

Um grau para o sucesso

O conceito dos 100º é um conceito fantástico que nos ajuda a perceber como às vezes uma pequeníssima dose de esforço separa o sucesso do insucesso.

Água a 99° está muito quente,  praticamente a ferver. Mas, ainda não está a ferver. Com mais um grau ela ferve, e é esse grau a mais que faz toda a diferença!

Ao ferver a água gera vapor e o vapor pode mover uma caldeira e movimentar grandes locomotivas e navios. Mas a 99° nada disso seria possível!

O mesmo se passa na nossa vida. Às vezes temos de procurar alcançar aquele “grau” extra, que põe a nossa vida pessoal e profissional a mexer, tal como a locomotiva. Quantas vezes não olhamos para os 99º e já sentimos muito quentes, e ficamos confortáveis, não lutamos para chegar aos 100º.

Muitas vezes, quer seja na vida pessoal ou profissional,  não atingir os 100º  significa não alcançar o sucesso.

Vejam o vídeo para entender melhor o conceito!

Descomplicar a existência

“Qualidade de vida é tornar sua existência descomplicada; é fazer o que lhe dá prazer, com alegria, saúde e bem-estar” – DeRose

Seria irreal e um tanto imaturo acreditar que podemos nos abster dos percalços da vida, entretanto, descomplicar a existência e as formas que utilizamos para administrar um embaraço, é uma questão de escolha e posicionamento perante as circunstâncias.
Por mais que consideremos vivenciar uma experiência turbulenta como algo indigno de nós, as adversidades não deixarão de existir. Pelo contrário, os obstáculos estão sempre ao nosso redor sacudindo nossas estruturas para transformar nossos paradigmas mais profundos e reavivar a nossa capacidade de realizar.
É importante acreditar que as coisas podem ter um final positivo, por uma razão bastante simples: porque é possível. Mas, para isso, é preciso despertar uma interna e profunda convicção acerca das nossas reais capacidades. Uma atitude crucial para consolidar essa mudança é aprender a perceber que nos problemas estão encerradas as nossas mais preciosas oportunidades de crescimento.

O prazer de agir

Ao invés de ficarmos trôpegos ou paralisados perante o infortúnio, lamentando-nos pelo revés, podemos nos sentir privilegiados a cada desafio. É isso mesmo, sentirmo-nos privilegiados por ter problemas!
Se uma determinada situação chega às nossas mãos, certamente é porque somos fortes, eficientes e capazes para administrá-la. Encará-la de frente, sem temer, fingir ou fugir é a grande oportunidade de aprender e mudar. Assumindo a responsabilidade por fazer diferente conquistamos novas habilidades para reconstruir nosso castelo em um alicerce ainda mais firme.
A realidade nada mais é do que a leitura que se faz dela. Manter o coração confiante perante as intempéries e extrair contentamento de todas as situações é descomplicar a existência. Isso nos permite preservar a estabilidade interna mesmo nos maiores vendavais. A cada bonança conquistada, a manhã de sol será ainda mais linda.

Dicas:

1. Simplifique. Estabelecer prioridades e cumpri-las é importante para o seu crescimento e estabilidade.
2. Aprenda a dizer não e a colocar limites de forma cordial e elegante, sem se justificar.
3. Querer agradar a todos é o primeiro passo para dispersar sua atenção de seus objetivos.
4. Avalie “o que” precisa ser feito para desenvolver a habilidade de “como” fazer.
5. Desenvolva proatividade no momento de adversidade.
6. Assuma a responsabilidade por fazer as coisas acontecerem.
7. Quem fica parado afunda, mova-se.
8. Adote uma metodologia de aprimoramento pessoal que desenvolva suas habilidades através da boa alimentação, boa forma e boa cabeça.
9. Descubra seus talentos e acredite naquilo que encontra eco em seu coração.

Texto da Instrutora Fernanda Monteforte

Alta performance e autoconhecimento

Em uma época em que a velocidade das informações e os avanços na tecnologia aceleram a competitividade, o desafio de fazer a diferença torna-se quase uma obrigação. As transformações em todas as áreas do conhecimento são incessantes e, dentro desse contexto, surge a necessidade de difundir e praticar a responsabilidade socioambiental, essencial à preservação da nossa espécie.

De onde vem a alta performance?

Exige-se o aprimoramento das lideranças e da sociedade como um todo. Emergem conceitos de equipes de alta performance, famílias de alta performance, escolas de alta performance, gestão de alta performance, alta performance desportiva e por aí vai.

Contudo, é interessante notar que, em qualquer um destes segmentos sociais, para que a mudança coletiva possa acontecer, torna-se necessária uma profunda mudança no indivíduo: a alta performance pessoal.

Do particular para o coletivo

Para alcançar essa nova postura é preciso que o ser humano se torne mais consciente da sua interligação com as pessoas e com o meio em que vive. Desse modo, o indivíduo passa a exercer de forma mais lúcida e clara as suas atribuições e compromissos com a família, com os colegas de trabalho, com a sociedade e com a natureza.

Adotar uma postura mais integrativa contribui ainda para o desenvolvimento de uma nova criatividade, capaz de exacerbar a importância de agir com praticidade para conquistar objetivos e construir um mundo melhor para si e para o próprio planeta.

O Eu e os Outros

Esse paradigma transformador traz consigo ainda o compromisso de priorizar e zelar pelos relacionamentos interpessoais, valorizando a confiança, o respeito, a reciprocidade, a credibilidade e a lealdade.

Os talentos individuais passam a ser aplicados à sinergia do grupo. A atitude ética, o bem-estar físico, o gerenciamento das emoções, os pensamentos edificantes se tornam fontes de energia e motivação para conquistar a excelência pessoal.
Para obter alta performance é necessário autoconhecimento

Com um forte alicerce interno, o indivíduo pode deixar aflorar a intuição, via de conhecimento que certamente é um dos principais diferenciais das pessoas de alta performance, talvez a única que nos permita acompanhar a velocidade do mundo moderno.
Dicas:

1. Adote uma metodologia de aprimoramento pessoal que desenvolva suas habilidades através da boa alimentação, boa forma e boa cabeça.

2. Defina seus objetivos pessoais e estabeleça com clareza a forma como quer contribuir no seu trabalho, na família e na sociedade.

3. Aprimore sua comunicação. Aprenda a ouvir mais, a sentir e intuir.

4. Invista em conhecimento e cultura.

5. Identifique os problemas e procure encará-los de frente.

6. Aprenda com as experiências.

7. Comprometa-se com a solução e não deixe pendências.

8. Descubra seus talentos e acredite naquilo que encontra eco em seu coração.

Texto da Instrutora Fernanda Monforte