Evolui

Algumas constatações evolutivas que já deves ter vivido mas ainda não tiveste consciência.

1- O outro não existe para te agradar.

2- Ninguém é culpado pelo que estás a sentir. És tu que optas pelos sentimentos que tens neste momento.

3- A arte de viver sem expectativas e, sim, com perspectiva é a chave para não se frustrar.

4- Cura em ti o vício da necessidade de aprovação do outro. Só assim, poderás desfrutar da ousadia e confiança natural do seu espírito.

5 – Tu não tens controle de nada, por mais que acredites que tenhas. Lembra-te, daqui a pouco a Terra irá reivindicar o teu corpo e deixarás este planeta para ingressar numa nova fase de existência. Abre mão do controle, só assim terás domínio sobre ti mesmo e sobre a tua vida. Controle é um reflexo do medo, domínio é um reflexo do estado de ausência absoluta de tensão interna.

6- Não te deformes nem te descaracterizes para tentar “caber” no espaço apertado do pensamento que o outro tem em relação a ti. Isso não vai dar certo. Quando tu te deformas para agradar a alguém, a tua luz apaga-se e és apenas tu que ficas no escuro e te sentes perdido.

7- Não acredites no que os outros te dizem, por mais romântico e poético que possa ser. O que importa são as atitudes e não as palavras.

8 – Abandona o orgulho e o delírio de acreditar que tudo vai ser como tu queres.

9 – Tudo é passageiro. De perto a vida é uma tragédia, de longe é uma comédia. Daqui a pouco vais rir de todos os dramas que criaste. Pois tudo passa.

10 – Tu és responsável por tudo que está a acontecer na tua vida. Os teus pensamentos e sentimentos predominantes irão formatar a tua realidade; quer tu queiras, quer não. Portanto, se quiseres mudar a tua realidade, muda os teus pensamentos e sentimentos.

11- Carência emocional não é a necessidade de receber e, sim, de se dar. Só tu poderás suprir tuas necessidades emocionais. Projectá-las em alguém é o mesmo que pedir para que alguém se alimente para saciar a tua fome.

12 – Vive com simplicidade e com mais realidade. Só assim, quem realmente és, vai surgir de verdade. Ri mais e não leves tudo tão a sério. Afinal de contas, a essência da vida é descobrir-se e desfrutar desta maravilhosa aventura chamada evolução.

Adaptado de um texto da Autoria de Horácio Frazão.

Anúncios

Maturidade Espiritual

Mestre, o que é veneno?
– Qualquer coisa além do que precisamos é veneno. Pode ser poder, preguiça, comida, ego, ambição, medo, raiva, ou o que for.
Mestre, o que é o medo?
– Não aceitação da incerteza. Se aceitamos a incerteza, ela se torna aventura.
Mestre, o que é a inveja?
– Não aceitação do bem no outro. Se aceitamos o bem, torna-se inspiração.
Mestre, o que é raiva?
– Não aceitação do que está além do nosso controle. Se aceitamos, torna-se tolerância.
Mestre, o que é ódio?
– Não aceitação das pessoas como elas são. Se aceitamos incondicionalmente, então torna-se amor.

Mestre, o que é maturidade espiritual?
1. É quando paras de tentar mudar os outros e te concentras em mudar a ti mesmo.
2. É quando aceitas as pessoas como elas são.
3. É quando entendes que todos estão certos na sua própria perspectiva.
4. É quando aprendes a “deixar ir”.
5. É quando és capaz de não ter “expectativas” num relacionamento, e te doas pelo bem de te doares.
6. É quando entendes que o que fazes, fazes para a sua própria paz.
7. É quando paras de provar para o mundo, o quão inteligente és.
8. É quando não buscas a aprovação dos outros.
9. É quando paras de te comparar com os outros.
10. É quando estás em paz contigo mesmo.
11. Maturidade espiritual é quando és capaz de distinguir entre “precisar ” e “querer” e és capaz de deixar ir o teu querer.
E por último, mas mais significativo!
12. Ganha maturidade espiritual quando paras de anexar “felicidade” em coisas materiais!

A fórmula da felicidade

E se a felicidade tiver uma fórmula?
Parece redutor, mas é também desafiante. Eduardo Punset, escritor e divulgador científico espanhol dedicou-se a esse objectivo. Para tal reuniu-se com alguns dos mais prestigiados cientistas no campo da felicidade. O resultado desses encontros é “Viagem à Felicidade”, um livro que nos dá conta das novas chaves chaves científicas no caminho do bem-estar emocional.

O que é a felicidade?
Segundo Eduardo Punset é uma das emoções básicas e universais do ser humano e uma das protagonistas da nossa vida emocional. Como todas as emoções básicas e universais, é efémera por isso não nos podemos dar ao luxo de não a procurar.

Factores redutores de bem-estar (R)
O medo é o principal obstáculo da felicidade, mas há outros como convicções que assimilamos teoricamente. “Desaprender a maior parte das coisas que nos ensinaram é mais importante do que aprender”, refere o autor.

Carga hereditária (C)
Algumas características, fruto da herança genética, podem afectar os mecanismos do bem-estar. Neste caso, “a única coisa que se pode fazer é ter consciência da sua presença”, diz. O envelhecimento e o stress estão também incluídos nesta variável.

Factores Significativos (E,M, B e P)
E de emoção. Qualquer projecto ou tarefa que nos propomos fazer deverá ser realizado com emoção.
M de manutenção. Para sermos mais felizes devemos dedicar-nos às pequenas coisas do dia-a-dia; dar mais importância ao trabalho desenvolvido do que ao resultado final.
B de prazer na busca. Na busca e na expectativa radica a felicidade.
P de relações pessoais. A nossa felicidade depende em grande parte das relações que desenvolvemos com os outros.

Insatisfeitos Positivos

A insatisfação faz parte da natureza humana. Por buscar soluções para minimizá-la, a humanidade desenvolveu, ao longo de sua história, o avanço tecnológico que usufruímos hoje. Essa inquietude tem um lado negativo quando dispersa o indivíduo e o distancia dos seus objectivos, o que resulta em ansiedade e frustração.

Quando a insatisfação se direcciona para o aprimoramento, ela torna-se positiva. Ter em mente que, independentemente da condição actual, pode-se melhorar sempre. Com isso, estabelece-se uma meta, uma proposta de auto-superação e para triunfar é necessário focar – concentrar. Ter uma boa concentração depende de treino. Da mesma forma que os músculos se fortalecem com exercício físico, o cérebro desenvolve-se com técnicas de concentração e meditação.

Uma pesquisa feita pela Medical Harvard School , nos EUA, em conjunto com um instituto de neuroimagem na Alemanha e a Universidade de Massachussets comprovou que em apensas oito semanas de meditação ocorreram alterações no cérebro de praticantes adultos iniciantes. Houve um aumento da massa cinzenta em regiões relacionadas com aprendizagem, memória, empatia e stress. As conclusões foram feitas após comparações entre as ressonâncias magnéticas dos que praticaram a meditação e de um grupo que não fez as aulas.

A meditação originou-se na Índia, e foi desenvolvida pelos yogins há milénios. O termo técnico é dhyána e diferente do que significa em português, consiste em parar as ondas mentais, ou não pensar. Hoje faz parte da rotina de atletas, executivos, estudantes, a fim de melhorar o desempenho físico e cerebral.

Apesar de o tema ter um ar de mistério, a técnica é muito simples, mas precisa de treino diário para perceber um progresso efectivo. Na pesquisa citada acima, o grupo treinou 30 minutos por dia e obteve um resultado considerável. Sugere-se que o aumento seja gradual até conseguir alcançar esse tempo. Para sentir como funciona, escolha um local agradável, sente-se numa posição confortável, feche os olhos, e observe a respiração. No início dispersará muito, mas com a prática conseguirá reduzir consideravelmente a dispersão mental.
Quando dispersos estamos em devaneio, ou ausentes. Estar concentrado significa estar atento, alerta, ligado, presente.

Adaptado da Professora Rosângela de Castro
(Professora convidada do nosso próximo Intensivo de Yoga)

Na Casa do Yoga a meditação está incluída em cada prática e além disso todas as sextas juntamos um grupo para praticar.

Tao Porchon-Lynch

Aos 98 anos, Tao Porchon-Lynch inspira pessoas de todo o mundo com a sua história de vida. Ela é a professora de Yoga mais velha do mundo e faz disso uma verdadeira lição por onde passa: “Tudo é possível, nada é impossível. Quando acordar todos os dias pela manhã, diga: ‘Este será o melhor dia da minha vida”. E será!”, diz.

A revista Marie Claire publicou um artigo sobre ela:

http://revistamarieclaire.globo.com/Noticias/noticia/2017/01/aos-98-anos-ela-e-instrutora-de-ioga-e-otima-conselheira-de-vida.html

A Casa de Hóspedes

Este ser humano é uma casa de hóspedes.
Todas as manhãs, uma nova chegada.

Uma alegria, uma depressão, uma maldade,
uma consciência momentânea,
com visitantes inesperados.

Dá-lhes as boas-vindas e acolhe-as a todas!
Ainda que sejam uma multidão de penas,
que varrem com violência a tua casa
esvaziando-a de todos os teus móveis,

ainda assim, faz as honras a cada hóspede.
Eles podem estar a preparar-te
para um novo prazer.

A tristeza, a vergonha, a malícia,
recebe-as à porta com um sorriso,
e convida-as a entrar.

Mostra-te agradecido por quem chega,
pois cada visita foi enviada
como um guia do além.

Rumi

Este  poema do mestre sufi Rumi, transmite uma mensagem importante em relação à forma como nos devemos relacionar com as nossas emoções negativas.