O simples e o complexo nas relações humanas

O SIMPLES E O COMPLEXO NAS RELAÇÕES HUMANAS

Ah! Como são complexas as relações humanas. Frágeis e imprevisíveis, os relacionamentos determinam em grande parte o sucesso e a felicidade em nossas vidas. E se você for do tipo de pessoa que é determinada a viver para valer, então inevitavelmente precisará dominar a arte do bom relacionamento nos diversos papéis que exerce.

Para nossa sorte apesar das relações serem complexas, os princípios que as regem não são. No fundo, todos sabemos quase que instintivamente quais ingredientes não devem faltar na química dos relacionamentos. Imagino que, na sua receita, a conquista e a manutenção da confiança seria um destes ingredientes, não é verdade?

A confiança faz fluir diálogos mais verdadeiros e, consequentemente, nos auxilia na construção de vínculos sólidos e duradouros. Simples? Claro que não, pois conquistar e manter a confiança demanda um longo tempo, enquanto que para perdê-la bastam frações de segundo. É como se trabalhássemos durante anos empilhando uma enorme pirâmide de cartas e, por conta de um maldito espirro, víssemos os nossos esforços desmoronando, abruptamente.

Mas como evitar a incidência de tais momentos trágicos? Se você conseguir relembrar alguns desses eventos em sua vida, possivelmente notará que eles apresentam um padrão em comum: um lapso do discernimento. A mente simplesmente perde a capacidade de sustentar todos os links significativos e, de repente, “Ops! Falei sem pensar.” E lá se vai a confiança que tanto nos custou para conquistar… O incrível é que esses lapsos ocorrem por conta de fatores humanos que poderiam ser perfeitamente evitados ou atenuados como, por exemplo, o cansaço físico e a instabilidade emocional. Esta condição, popularmente conhecida com o nome de stress, tem o poder de corromper o discernimento e frequentemente nos coloca em sérios apuros. A emocionalidade estupidifica e não foram poucas as vezes em nossas vidas que, por conta de um rompante emocional tão abrupto quanto um espirro, vimos um relacionamento valioso desmoronar. Às vezes de forma irreparável.

Se por um lado os relacionamentos são complexos e imprevisíveis, por outro o stress é algo relativamente simples de ser administrado. Respirar de forma mais profunda, aprender a descontrair-se e cultivar hábitos mais saudáveis não são atividades realmente complicadas; apenas exigem um pouco de autoconsciência. Entretanto, autoconsciência não tem nada a ver com “autocontrole”. Aquele que precisa se controlar o tempo todo torna-se uma bomba de retardo e, mais cedo ou mais tarde, acaba explodindo (ou implodindo!). Autoconsciência tem a ver com sabedoria e é conquistada à medida que vamos aprendendo a fazer escolhas mais proativas, escolhas que privilegiam nossa qualidade de vida.

Aqui chegamos à conclusão inexorável: a qualidade do nosso relacionamento interpessoal começa pela qualidade do nosso relacionamento intrapessoal. Portanto, é preciso que reconheçamos a grande responsabilidade que nos cabe na construção e na manutenção de nossas relações.

Pode até parecer complexo mas, na verdade, é bastante simples. Para conquistarmos um bom relacionamento com os outros é preciso, primeiramente, que conquistemos um bom relacionamento com nós mesmos.

Por : Ricardo Mallet em Mude  Mundo

derose

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

w

Connecting to %s

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.